Joaquim Barbosa lamenta prisão de jornalista que ia entrevistá-lo

Barbosa

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, lamentou a prisão da correspondente do jornal “O Estado de S.Paulo” em Washington, Claudia Trevisan, na universidade de Yale, quando esperava para entrevistá-lo.

Barbosa afirmou, por meio da sua assessoria, que ficou sabendo do episódio apenas na manhã de sábado, 28, informado pela organização do seminário “Constitucionalismo Global 2013”, do qual participava, e que lamentava o episódio, já que a jornalista estava lá “apenas fazendo seu trabalho”.

Claudia foi detida por cinco horas, primeiro em uma viatura policial e depois na delegacia da cidade de New Haven, onde fica a universidade, depois de tentar localizar o seminário do qual Barbosa participava. A jornalista havia sido incumbida pelo jornal “O Estado de S.Paulo” de tentar entrevistar o presidente do STF.

Ao procurar a assessoria da faculdade de direito, foi informada que o evento seria fechado. Claudia falou também com o próprio Barbosa, de quem ouviu que ele não daria entrevista, a quem disse, então, que o esperaria do lado de fora do evento.

A própria jornalista, ao chegar à universidade, procurou um dos seguranças da instituição para confirmar a localização do evento, quando então foi detida, algemada e teve seu passaporte retido. Ficou uma hora presa dentro de uma viatura, sem poder telefonar, e outras quatro na delegacia, quando pode enfim fazer contato com a empresa.

O Itamaraty foi então acionado e um representante do consulado em Hartford foi encontrá-la. Claudia foi autuada por “transgressão criminosa” e terá que se apresentar à Justiça americana no próximo dia e. O jornal “O Estado de S.Paulo” contratou um advogado para defendê-la.  (Agência Estado)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.