APLB classifica deputados de traidores; nem Roberto Carlos escapa

‘Os traidores da Educação na Bahia’

Da Redação

Os professores da rede estadual da Bahia continuam a greve em Juazeiro. A paralisação da educação na rede estadual já ultrapassa 25 dias, sem solução por parte do Governo cujo Projeto de Lei 19.779/2012, foi aprovado pela Assembléia Legislativa e destrói com a carreira do professor baiano. Segundo o Professor e Diretor do Colégio Estadual Polivalente, Paulo Targino foi realizado na ultima sexta-feira (04), reunião na DIREC 15 para discutir assuntos relacionados à situação dos professores grevistas.

“Fomos convocados para reunião na DIREC 15, onde a pauta era a DIREC mostrar um documento que veio da Secretaria de Educação referente à convocação dos diretores das escolas estaduais para mostrarem que o projeto aprovado dizia que o governo do estado pagava acima do piso nacional, perante os dirigentes da DIREC eu disse que isso era uma mentira e que o piso que está sendo pago é juntamente com as vantagens que nós tínhamos e foram tiradas e adicionadas ao piso”.

Com relação à decisão do governo do estado em não conversar com a categoria e tomar medidas com que venha prejudicar alguns diretores, Paulo fez os seguintes esclarecimentos. “Para mim não muda nada, quem me elegeu foi o povo e isso foi feito democraticamente, é diferente de quem foi indicado por político, estou lá fazendo o que o povo quer, mas continuo defendendo as bandeiras que sempre lutei por elas. Eu ficaria triste se eu recuasse e fosse a favor de uma decisão arbitraria e prepotente”, explicou.

Por outro lado, o Diretor da APLB Antonio Carlos afirmou que alguns deputados querem ficar bem dos dois lados no que diz respeito à greve da educação fazendo uma alusão ao deputado estadual Roberto Carlos (PDT). “O deputado da base do governo ser contra é um direito dele, agora ser contra por quê? Porque ele diz que prejudica as criançinhas, isso já é demais, estamos aqui lutando pelos nossos direitos. Inclusive o deputado da nossa região (Roberto Carlos) se abstive de votar, isso quer dizer que quer ficar bem com os dois lados e agente não concorda com isso, ou frio ou quente, morno é que não dar”, metralha.

O sindicalista diz ainda que existe um calendário fixo de atividades referente à paralisação até a próxima sexta-feira (11). “A greve foi mantida em Salvador e está sendo mantida aqui, já existe um calendário de paralisação até sexta-feira, onde terá uma reunião entre a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE e o Ministério da Educação para discutir o impasse com Juazeiro, inclusive a deputada Alice Portugal já se pronunciou e defende o aumento de 10% com relação ao PIB”.

Na ocasião, Antonio falou sobre o comportamento de alguns deputados da base do governo. “O deputado Capitão Tadeu votou contra e tem se manifestado em favor aos trabalhadores em educação. Já o líder do governo Zé Neto se chegar a ser candidato e ganhar as eleições em Feira de Santana não vai tratar nada bem os trabalhadores da rede municipal. Já no caso de Juazeiro, a coisa pode caminhar na mesma direção se o candidato do PT vencer, um dos exemplos é o tratamento que está sendo imposto pela DIREC 15 em perseguir e cortar o ponto de quem está na luta”, concluiu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.