Casos de dengue sobem 71% em Salvador e ligam alerta para verão

Agentes do CCZ atuaram no bairro de São Cristóvão, na sexta-feira (5), para eliminar focos do Aedes
Agentes do CCZ atuaram no bairro de São Cristóvão, na sexta-feira (5), para eliminar focos do Aedes (Foto: Marina Silva/CORREIO)

No cenário estadual, incidência da doença aumentou 41,4%

Mais do que conhecida por todos, a dengue, arbovirose transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti, voltou a crescer em Salvador neste ano. Segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), até a 30ª semana epidemiológica de 2022, que compreende o período entre 2 de janeiro e 30 de julho, 898 casos da doença já foram registrados por aqui. Um aumento de 71% em relação ao mesmo período de 2021, quando 525 soteropolitanos foram diagnosticados com o problema.

Apesar de não chegar a mil o número de registros na capital baiana, a infectologista Áurea Paste afirma que o dado é preocupante e digno de atenção por parte das autoridades sanitárias.

“Os números em Salvador são sim problemáticos, a gente está em pleno aumento de casos. Então, isso é grave. [Estamos com] mais pessoas contaminadas, mais mosquitos, mais picadas e mais transmissão. É um momento perigoso e a gente precisa tomar pé”, indica Áurea, recomendando medidas de prevenção e combate ao mosquito.

Médico infectologista do Lacen e da Vigilância Epidemiológica, Antônio Carlos Bandeira pondera que, mesmo que o crescimento seja relevante, a situação pode ser contornada sem alarme. “Isso é extremamente manejável. São números com os quais dá para trabalhar e não causam um impacto grande para o poder municipal. […] Agora, sem dúvida, os dados vêm alertando para que haja um controle maior e não se baixe a guarda, com o município mantendo ações contínuas contra a dengue”, avalia Bandeira.

Ações
Coordenadora do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da SMS, Isolina Miguez diz que, desde 2021, ações integradas a outros órgãos da capital são promovidas em locais com mais risco de proliferação do mosquito.

“Além de ter feito bloqueios intensificados em Itapuã, Cabula e Boca do Rio, fizemos mutirão para descarte de tudo que não tem utilidade porque o pote de margarina, pote descartável e a garrafa podem acumular água e é tudo que o mosquito precisa: água e temperatura adequada para fazer os ovos eclodirem”, explica Isolina.

A coordenadora fala também que, de acordo com o sistema de notificação nacional, os bairros mais críticos da cidade são Itapuã, Boca do Rio e Cabula. Para esses locais, o CCZ intensifica ações, deslocando para lá agentes de visitas domiciliares de regiões mais tranquilas em termos de fator vetorial.

A influenciadora Sthe Matos foi uma das pessoas que tiveram dengue neste ano na capital baiana. Na segunda quinzena de abril, ela anunciou para os seguidores que tinha recebido o diagnóstico da doença, logo após voltar de uma viagem que fez para Recife. Em um dos momentos em que compartilhava os sintomas, chegou a mostrar para os seguidores o termômetro que marcava 38ºC de febre e contou que procurou o hospital após apresentar sintomas comuns à doença.

Na época, a influenciadora disse que os casos de dengue estavam crescendo na cidade. “Inclusive, gente, está ‘assolando’ dengue. Tenham cuidado. Cuidem da casa de vocês, passem repelente e que fique de recado para vocês”, afimou Sthe Matos no Instagram, na ocasião.

Clima como fator
A intensificação das ações de combate e prevenção contra a dengue são necessárias por estarmos em um ano no qual o clima ficou ‘a caráter’ para o mosquito. Antônio Carlos Bandeira argumenta que, em 2022, houve uma ampliação do verão, a estação mais favorável para a doença.

“As mudanças climáticas em um ano caracterizado pelo calor muito forte seguido de grandes chuvas que provocam alagamentos são um fator importante para o aumento. Esse alargamento do período com o clima assim, típico do verão que é o momento mais propício para o mosquito, dão espaço para uma reprodução mais bem sucedida do vetor da doença, que é o Aedes Aegypti”, avalia o médico.

Para além do clima, Áurea Paste aponta outro vetor de crescimento: o lixo. De acordo com ela, o cenário ainda pandêmico provoca a maior produção de resíduos e, consequentemente, a elevação dos pontos em que o Aedes Aegypti pode se reproduzir.

“O acúmulo de lixo é uma razão, já que é um dos focos de água parada. O mosquito põe o ovo, que sobrevive até por um ano, dependendo das condições do local. Então, se chove mesmo em pequenas quantidades, esse ovo eclode, o mosquito nasce e prolifera. Por isso, as condições básicas de saneamento são as mais importantes para eliminar a doença”, orienta a infectologista.

Os números de casos de dengue podem ainda ser subnotificados já que algumas pessoas confundem a doença com virose. Para evitar isso e conseguir o tratamento correto, é preciso ir ao médico já no início dos sintomas.

“Se você começa a sentir dores no corpo e febre, tem que se consultar. Só assim ajuda a vigilância a entender o cenário geral e pode ter acesso às indicações certas para o seu caso”, alerta Bandeira.

Apesar do avanço da dengue, a chikungunya e o zika vírus mostraram queda percentual de 47% e 37%, respectivamente. No caso da chikungunya, os registros caíram de 308 para 184. Já o zika saiu de 56 para 35 casos.

Áurea explica que não há como dois ou mais desses vírus crescerem simultaneamente. “Os vírus se respeitam. Vez de um, vez de outro”, compara.

Cenário estadual
Na Bahia como um todo, a vez em 2022 também é da dengue. De 2 de janeiro até 30 de julho, foram notificados 31.141 casos prováveis de dengue, o que representa um aumento de 41,4% em relação a 2021.

A reportagem procurou a Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) para repercutir os dados e questionar sobre ações de combate ao vírus, mas não recebeu resposta até o fechamento desta reportagem.

Dentro desse percentual, são 212,1 registros a cada 100.000 habitantes. Um destes é o estudante João Gabriel Borges, 16 anos, que mora em Itabuna, no sul do estado, e teve a doença no início de abril.

“Comecei a sentir febre que se estendeu por uns três dias e ver aparecer manchas no corpo. Fiz consulta, comecei a tomar os medicamentos e muita água. Aqui na minha rua tem uma casa abandonada, que ninguém cuida. Suspeito que lá é o ponto de foco, apesar de não saber se alguém mais da área pegou. Lá acumula água e lixo sempre”, denuncia.

O jovem conta ainda que, após o problema, a atenção que já existia contra o mosquito em casa foi ampliada. “Aqui sempre tivemos esse cuidado porque temos minha avó que é uma pessoa de mais idade. Depois que eu peguei, claro que ficou ainda melhor a nossa maneira de lidar com lixo, água parada e qualquer ponto de foco. Tudo para não passarmos pela mesma situação novamente”, completa.

Três passos para ficar longe do mosquito
Para ajudar o leitor a fazer o mesmo que a família de João e reforçar os cuidados contra a dengue, pedimos aos especialistas que dessem dicas para manter o Aedes Aegypti longe de casa. Veja abaixo:

  • Cuidado com a casa

Para começar, é preciso não esquecer o que é básico, mas faz a maior diferença, como aponta o infectologista Antônio Carlos Bandeira. “Primeira coisa é cuidar da sua casa, do seu jardim, da sua área e de tudo e qualquer coisa que possa acumular água. Vale até olhar atrás da geladeira, onde costuma ter acúmulo. A atenção tem ser grande e contínua onde você vive, para proteger a todos que estão no local”, orienta ele.

  • Proteção indireta 

Além das ações que evitam a reprodução dos mosquitos, dá para tomar medidas indiretas que podem ser fatores de proteção, como explica a infectologista Áurea Paste. “É preciso cuidar do seu quintal, da sua casa e eliminar todos pontos com possibilidade de água parada. Dá para colocar rede e telas que evitem a entrada do mosquito, que são medidas indiretas e podem ajudar”, indica ela.

  • Cuidado com os outros

Para lutar contra o mosquito, vale cuidar do que está dentro da sua casa e também do que há visível nas dependências de pessoas que morem perto de você, conforme recomenda Isolina Miguez. “Caso veja vizinho com tanque descoberto, pode ligar para 156 porque, ao ligar e dizer o motivo da denúncia, vão canalizar ao órgão que pode resolver”, orienta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.